fbpx
Escolha uma Página
Olá amados!!!
Os povos antigos encontravam na natureza a cura por meio das ervas e das plantas. Eles conheciam profundamente o poder curativo de cada uma delas e com base nos seus princípios ativos preparavam chás, infusões e xaropes. Também faziam banhos de assento, escalda-pés e cataplasmas. Os tratamentos de saúde auxiliavam nos mais variados casos, como, por exemplo, dor de cabeça, questões reumáticas, cólicas e dores em geral. Era a busca por soluções naturais que auxiliavam na saúde do organismo como um todo.
Fitoterapia
Na modernidade, a fitoterapia amplia o estudo e conhecimento sobre a ação medicinal das plantas. A etimologia da palavra tem origem grega, pois therapeia quer dizer tratamento e phyton significa vegetal. Apesar disso, ela surgiu muito antes, ou seja, por volta de 3.000 A.C, quando o imperador chinês Cho-Chin-Kei descreveu as propriedades do Ginseng e da Cânfora.
Apesar das grandes propriedades das plantas e das ervas, especialistas alertam que o uso de cada uma delas desse ser moderado. Eles explicam que dependendo da quantidade e da forma como são preparadas podem ser tóxicas ou prejudiciais ao organismo. Por isso, é sempre fundamental consultar um profissional ou algum estudioso do assunto. E manter o equilíbrio é primordial!
Área científica
Conforme pesquisadores, no Brasil, há cerca de 100 mil espécies catalogadas, sendo somente duas mil cientificamente comprovadas. Assim, torna-se de extrema importância a participação dos profissionais de saúde nessa área, visando integrar o conhecimento utilizado pelo sistema de saúde oficial ao saber popular, uma vez que as terapias alternativas podem contribuir com as ciências da saúde e também possibilitar ao indivíduo uma relativa autonomia relacionada ao cuidado com a sua própria saúde.
Práticas Integrativas
As práticas integrativas e complementares incluindo a Fitoterapia estão em expansão no país. Um dos marcos históricos importantes sobre a utilização de plantas medicinais no mundo foi a Declaração de Alma Ata em 1978, em que foi reconhecido o uso de plantas medicinais e de fitoterápicos com finalidade profilática, curativa e paliativa. Desde então a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a reconhecer as plantas medicinais e a Fitoterapia.
Políticas Nacionais
No Brasil, a temática foi levantada na 8a Conferência de saúde em 1986. Posteriormente, em consonância com as recomendações da OMS em 2006 foi publicada a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), contemplando, entre outras, diretrizes e responsabilidades institucionais para implantação/adequação de ações e serviços de medicina tradicional chinesa e acupuntura, homeopatia, plantas medicinais e Fitoterapia. Ainda em 2006, o Brasil recebeu a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF). E em 2009, a Portaria número 2.960 aprovou o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, sendo os três importantes para introdução do uso de plantas medicinais e fitoterápicos no Sistema Único de Saúde (SUS).
Harmonia
Vale lembrar que o preparo envolve diferentes partes da planta, como raiz, casca, flores ou folhas, sendo o chá a mais utilizada e ocorre por meio da decocção ou infusão.
O significado de saúde, segundo Hipócrates, é a harmonia do homem com a natureza, o equilíbrio entre os vários componentes do organismo entre si e o meio ambiente. Saúde e doença estão relacionadas com a interação do corpo com a mente e do homem com o meio onde vive.
Alguns exemplos da Medicina da Terra e suas propriedades:
Açafrão da Terra
O açafrão (curcumina) é um poderoso anti-inflamatório natural e também auxilia no pulmão. Um ótimo aliado para as épocas de temperaturas mais amenas e que exigem maiores cuidados com a saúde no quesito das vias respiratórias. Alecrim é reenergizante e revigorante. Auxilia nos cuidados em relação a infecções respiratórias e gripais, assim como a sálvia, o tomilho e a lavanda.
Alho
Trata-se de um poderoso antibiótico natural, além das ações anti-inflamatórias e antifúngica. É eficaz em problemas respiratórios, como gripe, asma, bronquite e resfriado. Além disso, é excelente no fortalecimento do sistema imunológico, do sistema vascular (redução da pressão arterial, colesterol alto e prevenção da arteroesclerose), é hepatoprotetor e ajuda na redução da glicose no sangue. Tem ação antitumoral e no combate de verminoses e parasitoses intestinais. Na ginecologia natural, seu uso é conhecido pela eficácia para tratamentos de diversos desequilíbrios da vulva e da vagina. É indicado ainda no combate à candidíase, cistite, gardnerella, clamídia e tricomoníase.
Calêndula
Traz a força solar e movimento. É cicatrizante, antisséptica em feridas, pruridos, eczemas, fungos de pele, acne, escaras e é vasodilatadora e tonificante da pele. Nos banhos de erva, devolve a energia e revigora.
Cavalinha
É uma planta medicinal também conhecida como Cavalinha-dos-campos, Cauda-de-cavalo ou Cola-de-cavalo, muito utilizada como remédio caseiro para parar hemorragias e menstruações.
Cravo e Canela
O cravo é um excelente analgésico, podendo ser usado tanto o fruto (semente) quanto a folha. Por exemplo, quem tem dor de dente, faz um chá, deixa esfriar e faz bochecho, alivia na hora a dor. E a canela alivia as dores.
Chá verde
Ele possui propriedades termogênicas, antioxidantes, anti-inflamatórias e ele ainda reduz o colesterol. Auxilia no emagrecimento, porque tem cafeína e catequinas que aceleram o metabolismo, fazendo com que o organismo gaste mais energia, além de facilitar a digestão.
Dente-de-leão
Considerada, no Brasil, uma planta alimentícia não-convencional (Panc), sendo todas as suas partes medicinais e comestíveis (rizomas, folhas e flores). Suas raízes são excelentes para desintoxicação do fígado e vesícula, ajudando até mesmo a dissolver cálculos biliares. É um excelente diurético e auxilia no tratamento do diabetes. O leite extraído do talo pode ser aplicado diretamente nas afecções da pele para pruridos, escamações e eczemas.
Equinácea
É uma planta medicinal também conhecida como Flor-de-cone, Púrpura ou Rudbéquia, muito utilizada como remédio caseiro no tratamento de gripes e resfriados, aliviando a coriza.
Louro
É muito conhecido na gastronomia por seu sabor e aroma característico, porém, ele também pode ser utilizado no tratamento de problemas digestivos, infecções. Ele também auxilia no combate às dores na coluna e nas articulações, como por exemplo nos joelhos.
Macela
Muito indicada para a má digestão e cólicas intestinais. Também funciona como sedativo leve e como antiinflamatório.

Folha de Taioba

A taioba é rica em minerais e em fibra, melhora o intestino, além de ser muito saborosa.

Mulungu
O mulungu, também conhecida como canivete, bico-de-papagaio e corticeira, é uma planta medicinal muito eficaz no tratamento de problemas psicológicos relacionados com o estresse.
Milho (fubá)
A folha auxilia para eliminar náusea. Já o “cabelo” do milho é ótimo para eliminar as pedras dos rins.
Semente de Jaca
É usada para fazer pomada e é ótima para tratar de queimadura.
Algumas dicas do Sagrado Feminino
Um pouco mais sobre o Alecrim (Rosmarinus Officinalis)
Trata-se de uma planta nativa da região mediterrânea, mas cultivada em muitos jardins no Brasil. Seu nome científico Rosmarinus é derivado do latim “ros” significa orvalho e “marinus”, mar. Suas folhas e flores podem ser utilizadas como tempero, conferindo uma qualidade especial e mágica para tudo o que preparamos com ele. Seu nome lembra alegria, sua energia é solar e positiva e sua medicina é trazer clareza, leveza e inspiração e presença.
Indicações
Seu chá é indicado em casos de má digestão, dor de cabeça, cansaço, fadiga mental e também para melhorar a memória e clareza mental. Ele é excelente também para a oleosidade dos cabelos e para a circulação sanguínea. Pode ser utilizado em óleos medicados para pernas e pés cansados ou escalda-pés. Sua infusão pode ser utilizada para cólica, perda de apetite, cansaço ou estafa mental.
Formas de uso

Infusão, banhos de assento, compressa, escalda-pés, difusor (com óleo essencial) óleo medicado (planta ou óleo essencial)

Contraindicações: Gestantes, hipertensos e epiléticos não devem utilizar o óleo essencial de Alecrim.
Funcho (Foeniculum Vulgare)
O funcho é uma planta muito popular no Brasil. Suas folhas e sementes são utilizadas na culinária e também pela medicina popular. Seu bulbo pode ser utilizado no preparo de saladas e temperos frescos. No ayurveda, suas sementes são utilizadas como tempero e também como digestivo após as refeições. A folha de funcho ajuda a regular o sistema hormonal feminino e também a acalmar os nervos. Suas sementes ajudam na digestão e na produção de leite materno (galactagogo). É conhecido como erva-doce.
Como pode ser usado
O funcho é levemente estrogênico, alivia dores da menstruação, regula o ciclo menstrual. Ele também ajuda no tratamento da endometriose, amenorreia, baixa libido e síndrome pré-menstrual. Na menopausa, ajuda a combater os fogachos. Estimula a produção de leite em mães que amamentam e ajuda a aliviar a depressão pós-parto. É contraindicado, no entanto, durante a gestação, aliás, nesse período, tudo deve ser feito sob orientação médica.
Preparo
Colocar uma colher de sementes de funcho (erva-doce) em uma xícara de água fervente, tampar e deixar por cerca de 15 minutos e coar. Mentalizar todas as intenções de cura e beber. Tomar de 3 a 5 vezes ao dia.
>