fbpx
Escolha uma Página

Saúde, um bem, uma dádiva preciosa que todo e qualquer ser humano deseja “ser” ou “ter”. Porém, nem todos compreendem, em um nível consciente, como adquiri-la ou mantê-la. Alguns aprendem a valorizá-la, quando levam um susto, outros despertam e cuidam-na com amor e zelo. Apesar disso, como nos ensinam muitos mestres, está tudo certo no universo e há um tempo para cada situação na vida. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), saúde é “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”.

Por que adoecemos?

Ou por que alguns têm mais “saúde” do que outros?
Existem muitas perguntas e muitas respostas e então vamos apontar algumas questões importantes ao menos para começarmos a refletir sobre isso!

Corpo, mente e espírito

Estudos nos revelam que somos corpo, mente e espírito e essas três instâncias precisam estar alinhadas para que tenhamos maior equilíbrio e talvez bem-estar. Na Programação Neurolinguística (PNL), por exemplo, há a compreensão de que corpo e mente formam um sistema integrado: o corpo afeta a mente e a mente envia comandos para o corpo. Somente nesse aspecto já temos bastante elementos para avaliar.

Pensamentos e sentimentos 

Seguimos, então, analisando o corpo e neste aspecto podemos destacar pelo menos a alimentação saudável e a atividade física como fundamentais para que o veículo de nossa alma possa estar bem. E em relação à mente? Bons pensamentos são fundamentais. Pesquisadores afirmam que 80% das nossas doenças são causadas na mente e, por isso, é primordial mantermos bons pensamentos e vigiar sobretudo o que assistimos de programação nas TVs e nas redes sociais. É salutar ainda selecionar o que lemos, visto que essas experiências ficam registradas em nosso inconsciente e vão gerar sentimentos que terão grandes reflexos no corpo. No nível mental, outro aspecto importante diz respeito às crenças, porque elas são as nossas verdades e determinam os nossos comportamentos, hábitos e a nossa maneira de ver o mundo e a nós mesmos.

 

Bert Hellinger 

Há também o aspecto espiritual. A especialista em Constelação Familiar Ana Paula Veiga explica que há três consciências: a pessoal, que abrange nossas crenças (o que pode ou não, o certo ou o errado), a consciência coletiva (definida por um coletivo, uma cultura, um sistema) e a espiritual. E para explicar essa terceira instância ela traz um trecho do livro “Amor do Espírito”, de Bert Hellinger.
Conforme Bert, essa “consciência espiritual” responde a um movimento do espírito (alma), é o que move tudo. Para ele, é o que se move de forma criativa e tudo está submetido a esse movimento. E, segundo ele, se estamos em boa vontade e se permanecemos de forma sábia ao ponto de sabermos que estamos sendo movimentados pelo espírito, entramos no fluxo, porque sentimos a “força” necessária para dar nossos passos na vida.

O que excluímos

Caso rejeitamos algo (e isso pode estar relacionado ao nosso sistema), vamos reverberar essa exclusão às demais áreas da nossa vida. Dessa forma, de acordo com Bert, ficamos enfraquecidos, sem energia, sem criatividade, pois, nesse caso, estamos indo contra algo muito grande. Quando experimentamos uma má consciência, surge a inquietação e não sabemos o que podemos fazer. No entanto, a boa consciência e a entrega ciente a um movimento espiritual, segundo Bert Hellinger, nos coloca no fluxo da vida e tudo toma o seu lugar, a sua ordem natural.

Após entender um pouco sobre a importância desse alinhamento, vamos abordar um pouco mais sobre os cuidados com o corpo em relação à alimentação e como aumentar nossa imunidade.

Nossas defesas

A especialista em Naturopatia Clínica, Yvone Cardoso, explica que, em função da Covid-19, muitas dúvidas surgiram em relação ao vírus. Conforme ela, muitas pessoas esqueceram que a nossa real defesa é o nosso sistema imunológico. “Assim como o país tem o Exército, nós temos o nosso exército interno que nos dá a proteção contra toda a invasão que possa existir, da nocividade dentro do nosso meio”, observa Yvone, que atua com as técnicas de Biomagnetismo, Alinhamento de Biocampo e Eliminação de Padrões Traumáticos.

Toxidade no corpo

De acordo com Yvone,  que também é analista em Biorressonância Magnética e Desintoxicação Toxicológica, “essa defesa” do organismo conta com células específicas, alguns tecidos e órgãos que trabalham para defender o nosso corpo contra a invasão de vírus, bactérias, germes, parasitas, fungos, substâncias tóxicas e muito mais. “Por que então as pessoas morrem? De acordo com Yvone, precisamos rever o nível de toxicidade ao qual estamos submetidos. “Não fomos criados para lidar com tantas toxinas e hoje estamos lidando com isso diariamente em tudo que manipulamos e usamos no dia a dia, na nossa alimentação, no meio ambiente, são pesticidas, herbicidas, agrotóxicos, essa alimentação processada, estamos fugindo cada vez mais da natureza, do que nos fortalece”, exemplifica.

Vamos cuidar do nosso exército interno!

Apesar disso, para eliminar a nocividade, Yvone ressalta que é fundamental elevar a nossa imunidade, porque esse exército precisa ser alimentado corretamente e ser eventualmente limpo. Conforme a especialista, é muito importante também termos um descanso apropriado e devemos reduzir ou até mesmo eliminar o estresse. “E o que a gente faz no nosso dia a dia? Muito estresse, muita toxina, muita alimentação errada, nós fazemos tudo isso e talvez esse momento seja para que a gente reveja como estamos vivendo e alimentando o corpo”, alerta.

Sistema imunológico

Yvone explica que a forma como estamos cuidando do nosso corpo, ou seja, como estamos olhando para o nosso sistema imunológico, “o nosso exército poderoso”, possibilita com que ele possa agir sob qualquer ataque viral, seja o que for. “A força que há em nosso corpo é gigante, mas ele têm que estar apropriado para agir”, explica.

Reações

A especialista em Naturopatia observa que, em tempos de coronavírus, o corpo pode ter as mais variadas reações. ” Podemos ter respostas inflamatórias com o vírus, podemos ter febre, ter desconforto em geral, mas não precisamos morrer, porque o nosso corpo sabe como nos defender, vamos ajudá-lo, então”, orienta.

Como podemos aumentar a imunidade

Para aumentar a imunidade, Yvone sugere cuidados simples, mas importantes: todos os alimentos que contém vitamina C; mais naturais possíveis, como gengibre, alho, cúrcuma, que trazem a natureza quente para o nosso corpo, assim como a pimenta. Os chás que desintoxicam o sangue, tanchagem, dente de leão, erva de bicho, hortelã, sete sangrias (os chás que são excelentes para limpar o nosso sangue) e estão na natureza disponíveis para nós talvez, inclusive em nossos jardins; vitamina D e o Sol. A D3 mais especificamente, porque ela modula o sistema imunológico. Também recomenda 15 minutos de Sol! Segundo ela, não há necessidade de pânico, porque o medo faz o estresse aumentar e, com isso, diminui a imunidade. “Vamos olhar com carinho para o nosso corpo, olhar com atenção para nós, vamos reconhecer esse exército dentro de nós e vamos auxilá-lo a traçar os caminhos necessários para nos proteger”, ensina.

O universo é frequência! Como estamos vibrando? 

Em relação ao macrocosmos, Yvone salienta que podemos lançar um olhar sobre o Universo. “Quando entendermos que vivemos em um universo frequencial, portanto tudo está relacionado à frequência e os patógenos não estão fora dessa lei. Com isso, o que sentimos, pensamos e fazemos, tudo isso carrega uma frequência. Quando entendermos isso, de fato, a nossa responsabilidade será mais correta para as nossas vidas, porque almejamos coisas, desejamos mentalmente um futuro melhor e vibramos em algo contrário. Por que você acredita agora que a frequência do medo estaria fazendo diferente na sua vida? Ah não quero ficar doente, mas estou vibrando no medo ou criando a ressonância do medo. Você pode estar no meio do que for de doença e não se contaminar a partir do momento em que a sua frequência estiver em um nível vibratório elevado. Isso ocorre dentro das células e além das toxinas”, avalia.

Alegria e Fé

Yvone complementa destacando que temos também a nossa alegria, a nossa confiança, a nossa fé e a percepção correta de quem somos. Se nós conseguirmos olhar para isso e sair da condição de “vítima” ou de “vulnerabilidade” , então, iniciamos o retorno do nosso poder. Não o poder do ego, segundo ela, mas o poder divino, da consciência de luz, que está aqui no nosso corpo neste momento. “Quero muito que vocês entendam isso. Já é hora de tomar de volta esse poder, de dirigir, de executar a nossa saúde, o poder de compreender que tudo está dentro de nós, a força está dentro de nós. Olhe, lance esse olhar e se fortaleça”, ensina.

Dicas de uma nutricionista

A nutricionista Janaína Czarbonai Gonçalves também recomenda, além dos cuidados com a alimentação, repouso, hidratação, atividade física e saúde mental. Conforme ela, nosso sistema imune se divide em dois tipos de respostas: a inata ou natural e a adquirida ou adaptativa. A imunidade inata é uma das primeiras linhas de defesa do nosso organismo e devido ao nosso microbioma intestinal, o intestino é o nosso centro de imunidade inata. Portanto, manter a saúde dessas bactérias se torna necessário na eficiência das nossas respostas imunológicas. A nutricionista explica que, para favorecer a saúde dessas bactérias, uma das maneiras é adicionar às refeições alimentos prebióticos, ou seja, fibras solúveis não digeríveis em qualquer das etapas do processo digestivo, resistentes à ação de enzimas. Esse grupo de alimentos deixa as suas próprias bactérias mais resistentes e saudáveis e entre as fontes alimentares estão biomassa de banana verde, chicória, alho, cebola e aveia.

Probióticos

Há também, segundo Janaína, os alimentos probióticos, ou seja, ricos em micro-organismos vivos,que contribuem para repovoar o seu próprio microbioma. Fontes alimentares: Kefir e Kombucha.

Defesas do corpo

A especialista explica que o consumo de algumas vitaminas e minerais podem ser eficientes no estímulo das defesas do nosso organismo e podem contribuir para manter em alta a imunidade do corpo. Algumas delas são:

Vitamina A

Ação anti-infecciosa, ela contribui na manutenção e ação de células da pele e da mucosa, que revestem as vias respiratórias, aparelho digestivo e trato urinário. Atuando como uma barreira, sendo umas das linhas de defesa contra infecções. Fontes alimentares: batata doce, abóbora, repolho cozido, couve-manteiga, cenoura, pimentão e manga.

D3

Conforme alguns estudos atuais a Vitamina D não é capaz de gerar a cura ao Covid-19, mas pode ser uma eficiente ferramenta para reduzir fatores de risco. Essa vitamina tem importante ação na modulação do sistema imune. Umas das maneiras mais eficientes e obtê-la, é através da exposição solar. A indicação é de 15 a 20 minutos nos horários de sol mais forte que seriam das 11h às 14h. Não existe a necessidade de exposição de todo o corpo, a exposição de antebraços, por exemplo, já seria eficiente.

Vit. C e E 

Umas das vitaminas mais associadas à ação antigripal, acelera a cicatrização e reduz a suscetibilidade a infecções. Ela aumenta os níveis de anticorpos, potencializa o sistema imunológico, protege as células e combate os efeitos dos radicais livres. Fontes alimentares: cúrcuma, laranja, limão, melão, acerola, kiwi, morango, manga, abacaxi, acerola, tomate, caju, tangerina, brócolis e espinafre.

Já a vitamina E é antioxidante, atua na prevenção de radicais livres e mantém a saúde das nossas células. Ela é eficiente também em tratamentos para doenças cardiovasculares. Fontes alimentares: semente de girassol seca ou torrada, amêndoa, óleo de girassol, óleo e cártamo, avelã e amendoim.

Zinco

Atuante no funcionamento de mais de trezentas enzimas do nosso corpo, ele contribui para diversas reações do nosso organismo. Exerce forte ação contra radicais livres. E em virtude da presença desse mineral, o número de linfócitos T é aumentado, tornando o sistema imunológico mais potente. Vale lembrar que os linfócitos T desempenham um papel central na resposta imunitária contra patógenos. Fontes alimentares: semente e linhaça, chocolate meio amargo, castanha de caju e feijão.

Selênio

Anticoagulante e antioxidante, favorece sistema imune e atua contra doenças cardiovasculares e redução de peso. Seu excesso é tóxico para o organismo. Havendo necessidade de controle no consume. Fontes alimentares: castanha do pará, arroz, feijão repolho e alho.

Ferro

Um dos componentes mais importantes do sangue ele atua na formação de hemoglobinas, molécula do sangue responsável pelo transporte de oxigênio. Sua deficiência pode nos deixar mais suscetível a doenças e com sensação de maior cansaço. Fontes alimentares: folhas verdes escuras como: couve, espinafre, nozes, feijão, semente de abóbora.

Resveratrol

Fitonutriente atuante na prevenção contra fungos ou bactérias, atuando como um forte antioxidante. Traz benefícios para saúde cardiovascular, fluxo sanguíneo e auxilia na liberação de toxinas do organismo. Fontes alimentares: uva, mirtilo, chocolate amargo, cacau em pó.

Ômega 3

Óleo essencial o ômega 3 não é produzido pelo nosso organismo, portanto precisa ser consumido via alimentar ou por meios de suplementação para gozarmos dos seus benefícios. Ele é muito eficiente no combate de processos inflamatórios do nosso corpo, agindo também a favor da saúde cardiovascular. Fontes alimentares: chia.

Complexo B

Estão associadas à conversão dos alimentos em energia. Auxiliam diretamente no funcionamento do sistema nervoso central e manutenção dos glóbulos vermelhos, responsáveis pelo transporte de oxigênio e gás carbônico para as nossas células. Fontes alimentares: cúrcuma, gengibre, amendoim, semente de girassol, cogumelos, avelã, abacate, lentilha e feijão.

Variação de frutas e legumes

Procure manter uma alimentação variada de frutas, legumes, verduras, leguminosas, cereais, oleaginosas, cogumelos e gorduras benéficas, sugere Janaína. É importante também que essa alimentação seja orgânica. Não custa lembrar que a introdução desses alimentos não nos deixa imune, por exemplo, ao coronavírus, mas sim favorece as nossas próprias respostas imunológicas. Desse modo, é fundamental que a gente mantenha todas as recomendações indicadas pelo Ministério da Saúde.

 

>